quinta-feira, 13 de dezembro de 2018

Por que é errado fazer chacota da ministra que viu Jesus em um pé de goiaba?


Foto: Valter Campanato/Agência Brasil
Na última quinta-feira (6), a pastora, advogada e assessora parlamentar Damares Alves foi convidada para assumir o Ministério da Mulher, Família e Direitos Humanos no governo do presidente eleito Jair Bolsonaro. Uma semana depois de ser anunciada, Damares foi vítima de uma chacota seletiva nas redes sociais e em parte da grande mídia. Mas isso não deveria ter acontecido.

Circula na internet um vídeo em que a pastora relata, em um culto evangélico, um episódio horrendo, triste e perturbador da sua infância. A futura ministra, ao contar essa história, afirmou que  viu “Jesus em cima de um pé de goiaba”. Isso pode até parecer engraçado se essa frase vem isolada do seu contexto — eu, inclusive, tenho minhas ressalvas quanto a aparições desse tipo. No mesmo vídeo, Damares disse ter sido abusada sexualmente por um homem mais velho, que fazia parte de sua família, quando era apenas uma criança de seis anos. Se até aqui você não entendeu, ela foi vítima de pedofilia e estupro.

A ministra sofreu com esses abusos por anos, por isso, aos dez anos, ela pensou em cometer suicídio — se após isso ainda achar engraçada a história, você tem sérios problemas. Nesta quinta (13), em entrevista a jornalistas após sair de uma reunião no Centro Cultural do Banco do Brasil (CCBB), sede do governo de transição, que sofria com dor na alma pelo que passou. "Era muita dor na alma por todos abusos que passei", disse ela.

Para se matar, a ministra conta que pegou veneno na garagem do pai e foi até o pé de goiaba. Foi na árvore, quando estava a um passo de tirar a própria vida, que ela afirma ter tido um encontro com Jesus Cristo. “As crianças têm amigos imaginários. Hoje os pais compram unicórnios para as crianças, que não existem. Eu, aos dez anos de idade, quando eu quis me suicidar, eu tive o meu amigo imaginário. Eu estava em cima de um pé de goiaba, eu ia tomar veneno, ia morrer. E, quando estava em cima do pé de goiaba, não vi um unicórnio, não vi um amigo imaginário. Eu vi o que eu acreditava: Jesus”, contou Damares.

Apesar da gravidade dos fatos, as pessoas seguem fazendo memes e piadas com a situação. A humanidade parece que, dia após dia, se desumaniza ainda mais. Não se importam mais com a dor do próximo, principalmente se ele estiver politicamente em campo oposto. A ministra sabe do preconceito que vem sofrendo por contar sua história. “Virei palco de piada por conta da história do pé de goiaba, porque disse que vi Jesus. Eu fui abusada dos seis aos oito anos. Fui ao pé de goiaba quando criança para me matar. O amigo imaginário da criança ser um unicórnio, tudo bem. Se for Jesus, vira meme”, desabafou.

Então, colegas, se vocês não pensam em respeitar a experiência religiosa da ministra, respeitem pelo menos a experiência que livrou da morte uma criança ferida no corpo e na alma.

Comentários

0 comentários :

Postar um comentário